jusbrasil.com.br
17 de Outubro de 2017

Novamente "Curado": O Falido Sistema Carcerário Pernambucano!

"A maior prisão que podemos ter na vida é aquela quando a gente descobre que estamos sendo não aquilo que somos, mas o que o outro gostaria que fôssemos." (Padre Fabio de Melo)

Adilson Gomes, Advogado
Publicado por Adilson Gomes
há 2 anos

Novamente Curado O Falido Sistema Carcerrio Pernambucano


Não é de hoje que venho rebatendo na mesma tecla, de que o sistema penitenciário se encontra caótico, mal administrado e, como se não bastasse, autoridades que são absolutos pragmáticos e incapazes de recuperar quem quer que seja. Na realidade, boa parte das nossas prisões estão se transformando em “depósitos de seres humanos”, ou melhor, em verdadeiras masmorras medievais. Isso não só contribui para a elevação do índice de reincidência, como também de revoltas, rebeliões, mortes e fugas extraordinárias.

Uma nova tentativa de fuga em massa de presos ocorreu na madrugada deste sábado (5/03/2016) no Complexo Prisional do Curado, no bairro do Sancho, Zona Oeste do Recife, isso mesmo, o que chamamos inocentemente de "curado". Por volta das 3h, um artefato explosivo destruiu parte de um dos muros do Presídio Asp. Marcelo Francisco de Araújo (Pamfa). Apesar do buraco aberto na estrutura, nenhum preso conseguiu escapar. Com a detonação, seis veículos estacionados na rua e as fachadas de algumas residência foram danificados

Ação ocorre pouco depois de um mês da última fuga em massa na unidade.

É a terceira vez que bandidos empreendem esse tipo de ofensiva em 2016

Segundo o morador que não se identificou, os vizinhos irão se reunir e entrar com uma causa conjunta. "Já era previsto que isso ia acontecer. A sensação de insegurança é constante"

É inegável que a triste situação atual é apenas o reflexo, nada lisonjeiro, de décadas de descaso e falta de interesse político para resolver o problema, afinal, o tema, além de antipático e impopular, não rende votos e nem provoca aplausos dos eleitores. Apesar de não render aplausos dos eleitores, muitos políticos se rendem de uma prática demagoga em tratar o assunto, ou trocando em miúdos, falam sem acreditar ou como diz o ditado: "fala por falar e porque tem que falar" (assunto que já bati diversas vezes em outros artigos e na minha página nas redes sociais).

Nosso sistema prisional está falido e, hoje, a adoção de medidas eficazes para a solução do problema encontra sérios obstáculos tanto no preconceito da sociedade quanto na inércia da classe política, visto que, por óbvio, político algum quer ser rotulado como “defensor dos presidiários”, mas, o perigoso "castelo", e a fúria de seus réis começam a atingir a sociedade, através de fugas em massa ou de explosões, começam a se tornar um perigo e um medo constante?

A criminalidade não se combate com a profusão de prisões desmedidas, injustas e desproporcionais, mas sim com inteligência, paciência e, mais que isso, com políticas públicas efetivamente adequadas para que a prisão se converta em medida real de ressocialização. Devemos e teremos que acordarmos os nossos políticos e impulsiona-los a deixarem de ser serem demagogos, preocupados em dar entrevistas a repórteres, e sim a arregaçassem as mangas e trabalhar.

Os maus tratos recebidos pelos detentos associados ao fortalecimento das organizações criminosas que atualmente dominam os presídios, estão entre os principais motivos para números tão expressivos de fugas e explosões em muros das penitenciarias. Ou seja, o péssimo tratamento dispensado à massa carcerária é, sim, fator criminógeno relevante, e sim, devemos olhar para esse fator sem preconceito ou sermos inteligentes, sem aquele sentimento de "vingança" natural do ser humano.

O buraco aberto, não pelos presidiários, mas pela Secretaria de Ressocialização do Estado se encontra cada vez mais profundo e largo, e que não adianta tampar o sol com a peneira, ou jogarmos cimento em cima de folhas de papéis. Devemos encarar o fato e resolver o problema sem tampar buracos, e sim, resolver o causador destes buracos.

Enquanto os Secretários de Justiça e Direitos Humanos e de Ressocialização estiveram olhando para os presídios, tentando enganar os repórteres, dando discursos políticos ao invés de começarem a escutar os especialistas, ai sim irão começar a mudar a situação dos presídios em Pernambuco.

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)